quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Tô falando contigo...

Cara Ansiedade,

Eu já tive medo de você. Já te reneguei. Já fui pra psicóloga por sua causa. Você chega sempre do mesmo jeito: um peso que esmaga meu diafragma e comprime minha traquéia.

Daí eu me pego repetindo mentalmente: medo, medo, medo, perigo, imperfeição, complicação, não tem jeito, o mundo vai acabar, vou morrer. 

Não, eu nunca morri. Você nunca me matou. 

Mas eu preciso, todo dia, ressignificar cada uma das palavras que você sussurra no meu ouvido:

Medo. Todo mundo tem medo. Medo é bom, medo é seguro, medo é normal. 
Perigo. O mundo tá cheio de perigo, mas é só prestar atenção.
Imperfeição. Esperteza é se reconhecer muito imperfeita. Quanto mais cedo a gente gosta da imperfeição, menos maluca fica a vida. 

Complicação. vou listar cada uma delas e vou descomplicar uma a uma. 
Não tem jeito. Não, não tem. Mas ninguém fica doido por falta de jeito.
O mundo vai acabar. Vai, mas não hoje, não agora e não por minha causa. 
Vou morrer. Vou, mas não hoje, não agora. Não por causa do TCC que tenho que escrever, por causa do cheque especial, pelo que o futuro me reserva.
Então, dá um tempo, querida!

Ps: Post dedicado à minha sobrinha Mayara que neste momento compartilha comigo as angustias relatadas. "Tamo juntas, gata!".

2 comentários:

  1. Mayara - sua sobrinha tb desesperada18 de outubro de 2012 18:11

    HAHAHAHAHAHAHHA não sei pq tô rindo se o desespero vem atrás de mim!! o jeito é rir igual o Nilo: HIHIHIH. Porque morrer, hoje, ninguém vai!! :) TAMUJUNTOGATAGAROTA!

    ResponderExcluir

  2. Um dia de cada vez dona Silvia, um dia de cada vez.

    ResponderExcluir

Reflete aí comigo vai...