segunda-feira, 8 de julho de 2013

Era primavera...

Eu já estive apaixonada quatro ou cinco vezes na  vida e não posso afirmar, com precisão, se um dia já amei um homem verdadeiramente. No fundo eu acho que não. Mas como saber o amor ?
Das paixões, eu creio que me lembre, pelo modo como terminaram. Doloridamente. Nem todas, mas algumas doeram muito. Doeram alma e corpo.  Talvez tenham sido aquelas em que entrei com a bunda e meus "amados" com o pé, para tornar o "fora", mais humorado.

Algumas delas nem me lembro mais porque doeram tanto e as que me lembro, posso assegurar que a lembrança não é por apego, só é porque não temos o poder de apagar nossa memória com uma borracha imaginária.

Era primavera em Videira...

Às oito de um sábado ele tocou a campainha e eu não imaginava o desfecho. Tudo parecia normal, cheio de idas e vindas, como sempre, mas com final feliz. Já estávamos juntos havia quase quatro anos e eu conhecia os movimentos que, aos finais de semana o levavam e o traziam de volta. Mas aquele dia foi diferente, ele estava determinado, frio, com um olhar vazado, quase nulo, e, por mais que eu tentasse trazê-lo de volta daquele fundo onde parecia ter se escondido, eu não conseguia. 

Passamos a metade da manhã conversando, encerrando aquela história que nos parecia interminável. Tentei fazer com que se lembrasse dos nossos momentos, dos nossos pactos e sonhos, das nossas conquistas, da parceria, da cumplicidade, do desejo, mas nada, ele estava certo do que queria. Tão certo que se constrangia, visivelmente, com aquela situação. 

- Você sofre porque me ama, eu dizia -  porque não quer se afastar de mim. Ele ficava mudo porque sabia que não, ele sofria exatamente porque não me queria mais, mesmo com toda cumplicidade, parceria, sonhos, pactos, conquistas, desejo. Às 10h30 ele saiu, estávamos exaustos. Me joguei na cama. Era um dia de primavera. Fechei os olhos enquanto lágrimas escorriam pelo rosto. Rememorei os quase quatro anos ao lado daquela criatura. Às vezes suspirava para secar aquele rio insistente brotando dos meus olhos. Tudo doía, o peito, os olhos, as mãos, o céu também doía e as ruas, as esquinas, a minha vida, tudo amargava em minha boca. 

Na segunda-feira a vida continuou. Fui trabalhar  e me vi, por alguns segundos, com um andar tão lânguido, os olhos inchados, os ombros caídos, as lágrimas iminentes, era tudo tão bonito, que me encantou. Continuei sofrendo, na terça, na quarta, na quinta, na sexta.  Foram incontáveis telefonemas e lágrimas querendo compreender porque o namoro havia findado. Não tinha explicação plausível que me convencesse. Escrevi -lhe uma carta. Nas linhas tinham promessas que eu jamais poderia cumprir, mas cá entre nós, um drama bem feito pode gerar frutos.

E assim foi. Uma semana depois a semente tinha germinado. O "querido" havia se arrependido. Curtir a vida, solteiro, como ele previra, duas semanas antes, não era lá essa maravilha que lhe tinham propagado. E ele reapareceu. Dessa vez era ele quem implorava uma segunda chance. Titubeei, mas pensei com meus botões: se ele te abandonou uma vez, vai fazer uma segunda. Vale a pena? você o ama? eram questões que giravam na minha cabeça.

Então eu disse não. A dor provocada por aquele menino fez com que eu visse uma jovem mulher vivendo, tão digna em sua dor, tão firme em seus propósitos, que pude sentir alegria, alegria de viver, com todos os ganhos e perdas, com todos os conflitos e contradições que estar vivo implica. E segui minha vida. Solteira.

4 comentários:

  1. Renato Fieldemann9 de julho de 2013 09:29

    Eita que história bem contada. Eu sei de quem vc está falando, mas o legal da narrativa é sua percepção, mesmo diante da dor. Aliás, nunca entendi porque vc sofreu por aquele ser. rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renatinho, meu querido amigo, toda história contada com sentimento ganha vida e formato, por mais doida que pareça...hehe...com relação ao "ser", durou o tempo necessário e foi bom enquanto durou, isso não posso negar...hehehe

      Excluir
  2. Lendo esse texto tão bem escrito revivi o "pé na bunda" de 2008, numa quinta- feira à noite com um ovo de páscoa alpino. Bem assim, a dor é bem assim. Aí a gente deixa doer, silencia, tira o time de campo e deixa a vida se encarregar do resto.
    Bjos Silvia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fla, eu sei que vc compreende o que escrevo porque sei que tens tanta sensibilidade com as pessoas quanto eu. Mas confesso que não gostei de ter despertado em ti essa lembrança, no entanto, que ela sirva para te fortalecer e tbm ver o lado bom. O teu pé na bunda foi adoçado com um ovo alpino...haha..o meu foi com um chacoalhão...heheh

      Excluir

Reflete aí comigo vai...